Atenção Não esqueça
ECN 2018- Cachoeirin
dias
hrs
min
seg

O MCJ tem novo Estatuto

Créditos: Detalhe da capa do novo Estatuto.

Desde outubro de 2015, o MCJ tem um novo Documento Base que orienta o funcionamento do Movimento. Conheça o processo de construção e aprovação do Estatuto.

O documento original data de 1979, e ao longo dos anos foi sofrendo revisões e atualizações. A edição mais recente teve o processo de construção lançado em Assembleia, realizada em Cachoeirinha, em novembro de 2013.

Ao todo, foram apresentadas 204 sugestões de alteração, inclusão ou exclusão. Ao final do processo, desconsiderando as propostas que eram repetidas (em número de 71), mais de dois terços das propostas foram aprovadas (91 propostas), e apenas 42 foram rejeitadas.

Esse processo de discussão e deliberação ficou a cargo de um Grupo de Trabalho, criado em maio de 2014, em mais uma Assembleia, realizada em Novo Hamburgo, onde foram conhecidas as propostas de alterações.

O Grupo de Trabalho foi composto por representantes de 15 núcleos do MCJ, e realizou reuniões mensais, abertas, entre maio e novembro de 2014 (07 reuniões).

Após esse período, com todas as propostas discutidas e deliberadas, o trabalho foi confiado a uma comissão de redação, composta por três núcleos: São Pedro – Porto Alegre, Nossa Senhora do Trabalho – Porto Alegre e Nossa Senhora de Fátima – Gravataí.

Com o texto concluído, a nova versão do Estatuto foi remetida aos Conselhos de Ex-Coordenadores, para conhecimento e apreciação. Em junho de 2015, na terceira Assembleia realizada neste processo, o documento foi aprovado por unanimidade.

Finalmente, em outubro de 2015, na cidade de Novo Hamburgo, em Missa de Ação de Graças pelos 40 anos do MCJ, houve o Lançamento do Estatuto revisado, em versão impressa, prefaciada por Dom Zeno Hastenteufel, Bispo Diocesano de Novo Hamburgo e Referencial da Família no Rio Grande do Sul.

O novo Estatuto – Documento Base do MCJ, compila o conteúdo de três documentos que orientavam o funcionamento do Movimento, anteriormente: Fundamentos do MCJ, Estrutura de Funcionamento e Estatuto do Arquidiocesano.

O sumário do documento é composto pelos seguintes capítulos:

1. Apresentação
2. Histórico do movimento
3. Objetivos do MCJ
4. Linhas gerais de atuação do MCJ
5. Bases teológicas do MCJ
6. Coordenação regional do MCJ: estrutura e atribuições
7. Estrutura de funcionamento do MCJ, em um núcleo paroquial
8. Dinâmica de ação: as atividades do movimento de casais jovens
9. Disposições gerais
10. Histórico de elaboração e revisão do estatuto do movimento de casais jovens - MCJ

Alguns itens foram revisados e atualizados, como o Histórico do Movimento, outros conceitos foram confirmados, com ainda mais ênfase, como o Objetivo do MCJ:

“AJUDAR CASAIS A FORTALECER SEU MATRIMÔNIO E A VIDA CRISTÃ EM FAMÍLIA”,

através:

* Da vivência da fé e dos valores evangélicos;
* Da dinâmica do amor;
* Da participação regular e efetiva em grupos de casais e na comunidade paroquial, com a integração dos filhos.

Nas Linhas Gerais de Atuação do MCJ, o mesmo está definido como um Movimento Leigo, Católico, voltado para Casais Jovens, e com atuação Paroquial, que privilegia a participação dos filhos em suas atividades, e atento ao incentivo a seus membros na frequência aos Sacramentos (Matrimônio) e para a Vivência em Comunidade.

A Base Teológica está alinhada com um conjunto de documentos da Igreja, além das Sagradas Escrituras, dentre as quais pode-se citar: Catecismo da Igreja Católica, Lumen Gentium, Apostolicam Actuositatem, Familiaris Consortio, Puebla, Aparecida, entre outros.

O Estatuto também aborda os aspectos operacionais do quotidiano do MCJ, como a estrutura de funcionamento da Coordenação Regional e dos Núcleos Paroquiais:

  • Coordenação Regional

    •    o Assembleia Regional
         o Conselho de Ex-Coordenadores Regionais
         o Orientador Espiritual Regional
         o Casal Coordenador Regional
         o Equipe de Trabalho da Coordenação Regional do MCJ 

             * Casal Secretário:
             * Casal Tesoureiro
             * Abertura de Novos Núcleos
             * Representação nas Instâncias da Igreja Local

         o Grupo de Trabalho do MCJ Regional

  • Núcleo Paroquial

    •    o Orientador Espiritual
         o Assembleia Geral
         o Conselho de Ex-Coordenadores
         o Coordenação Geral

             * Casal Coordenador Geral        * Casal Secretário        * Casal Tesoureiro        * Casal da Liturgia

         o Coordenadores das Equipes de Trabalho
         o Coordenadores dos Grupos de Reflexão
         o Grupos de Reflexão

Quanto aos Grupos de Reflexão, que são células do MCJ, o Estatuto define a estrutura da reunião: Acolhida; Oração Inicial (com intenções); Leitura e Reflexão Bíblica, preferencialmente uma passagem do Evangelho ou Novo Testamento, com Palavra de Vida – propósito para vivência da Palavra de Deus; Tema da Reunião, que pode abordar assuntos diversos, tais como Espiritualidade, Cultura Religiosa, Vida Familiar e Vida Comunitária; Partilha da semana; Avisos da Coordenação Geral, recebidos pelo Coordenador do Grupo na reunião de Coordenadores dos Grupos de Reflexão; Oração Final; e Parte social (confraternização).

Finalmente, no que se refere aos procedimentos para o funcionamento do MCJ, no capítulo referente a Dinâmica de Ação, são descritas todas as atividades do Movimento, com orientações gerais para sua realização. São elas:

* Encontros de Casais Jovens (ECJ)
* Encontros de Revisão e Compromisso (ERC)
* Reencontro de Casais Jovens (RCJ)
* Encontros de Formação e Aprofundamento (EFA)
* Palestras
* Comunicação do Movimento
* Formação de Coordenadores e Palestrantes
* Liturgia
* Momentos de Espiritualidade
* Convite a Novos Casais
* Encontro de Casais dos Núcleos (ECN)
* Reencontro de Casais dos Núcleos (RCN)
* Arquivo e Cadastro
* Atividades Sociais:

   o Baile dos Namorados
   o Festa da Criança
   o Festa de Natal
   o Promoções e Eventos

* Oração pelas Famílias do Movimento (Equipe da Esperança ou Intercessão)
* Atividades em Geral de Apoio à Paróquia

Ter o Documento-Base atualizado foi uma grande bênção, mas não deve acomodar a FamíliaMCJ. Sabemos que esse foi o melhor documento possível, dentro das circunstâncias estabelecidas, mas ainda pode ser continuamente melhorado e atualizado, servindo ao crescimento e unidade desse lindo projeto de Deus.

Autor: Sidnei e Karina (Conselho MCJ Regional 2014-2015)



← Voltar